(21) 3026-6335/2148-2666

Azeite e memória

Azeite e memória

Mais um ponto para o azeite!

As doenças amilóides são caracterizadas pela deposição de proteínas tipicamente agregadas em tecidos, associadas à degeneração e comprometimento funcional progressivo. A doença de Alzheimer é uma das doenças amilóides neurodegenerativas mais estudadas e, nos países ocidentais, uma causa significativa de demência em idosos. A chamada “dieta mediterrânea” tem sido considerada há muito tempo um programa alimentar saudável, caracterizado por uma grande abundância de vegetais e frutas, azeite extra virgem como principal fonte de gordura, consumo moderado de vinho tinto e uma ingestão reduzida De proteínas de carne vermelha. Estudos epidemiológicos recentes apoiam a eficácia da dieta mediterrânea não só contra doenças cardiovasculares e cancerígenas , mas também contra o declínio cognitivo associado ao envelhecimento, e vários dados destacam o papel desempenhado pelos fenóis naturais, dos quais o vinho tinto e  azeite extra  virgem são ricos. Entretanto, os estudos realizados in vivo e in vitro começaram a revelar o grande potencial do componente fenólico do azeite extra virgem (principalmente oleuropeína aglicona e oleocantal) impedindo a agregação e toxicidade amilóide, com especial ênfase nas vias envolvidas no início e progressão da doença de Alzheimer: processamento de proteína precursora de amilóide, peptídeo amilóide-beta (Aβ) e agregação de tau, comprometimento de autofagia, neuroinflamação.

O azeite extra virgem pode ser considerado  uma oportunidade terapêutica viável para prevenir ou interromper a doença de Alzeimer, atuando na modulação da fosforilação de tau, deficiências de memória, integridade sináptica e neuroinflamação em estudos com ratos.

Depoimentos