(21) 3026-6335/2148-2666

Probioticos e esteatose hepática

Probioticos e esteatose hepática

A Doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) é definida como uma doença crônica onde o fígado aumenta pela gordura extra vinda da dieta. A prevalência da esteatose hepática está subindo rapidamente e está se tornando um problema de saúde pública mundial.

Estudos confirmaram que a esteatose hepática está associada com o índice de massa corporal (IMC), a síndrome metabólica e a resistência à insulina. É considerada como uma das principais causas de doença crônica do fígado, juntamente com a obesidade, o diabetes e a síndrome metabólica.

Por sua causa e prognóstico não estarem bem compreendidos, modalidades terapêuticas consideradas para pacientes com DHGNA normalmente tem sido focada no manejo da obesidade, diabetes mellitus e hiperlipidemia. O principal tratamento para DHGNA é a modificação de estilo de vida, incluindo a perda de peso através de uma combinação de consumo de energia diminuída e aumento do gasto energético.

Estudos recentes têm relatado um possível impacto do crescimento excessivo da microbiota do intestino no desenvolvimento de esteatose hepática. Um trilhão de microorganismos habitam o intestino humano e a microbiota intestinal tem um duplo impacto sobre a função do fígado. Os produtos da fermentação, tais como o etanol, amoníaco e acetaldeído produzidos pela microbiota do intestino são metabolizados no fígado.

É sugerido que a lesão hepática e fibrose podem ser parcialmente causadas pela exposição a produtos bacterianos como LPS .TLR4 células estreladas respondem ao LPS, produzindo citocinas e quimiocinas inflamatórias.
A relação entre a microbiota intestinal e DHGNA pode ser principalmente devido aos LPS endógeno.
A microbiota do intestino tem papel importante no acolhimento fisiológico, função e metabolismo através do seguinte mecanismo : conversão de substâncias pró- cancerígenas em menos nocivas , produção de vitaminas, degradação dos ácidos biliares e colesterol , bem como para facilitar a digestão de nutrientes, especialmente a fermentação de carboidratos não-digeríveis.

Estudos indicam os probióticos como agentes benéficos para um melhor equilíbrio da microbiota intestinal .
Por causa da ligação funcional com o intestino, o fígado é conhecido como o primeiro órgão de barreira contra frações bacterianas ou metabolitos derivados do intestino.

Estudos em ratos mostraram que a administração de L.rhamnosus levou a uma melhoria da esteatose hepática, com um forte efeito sobre a perda de peso. Outro microorganismo utilizado neste campo é Lactobacillus plantarum. Seu uso durante cinco semanas em ratos alimentados com dieta rica em colesterol apresentaram um decréscimo do colesterol no fígado e o conteúdo de triglicéridos. Durante oito semanas de tratamento com L.casei e L.acidophillus,houve melhora na resistência à insulina e redução de estresse oxidativo no figado. Um recente estudo espanhol em humanos avaliou os efeitos de um tratamento agudo com uma mistura que contém 500 milhões de Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus por dia em pacientes com DHGNA . O estudo mostrou uma redução nos níveis de ALT, aspartato aminotransferase (AST) e gamma glutamina transferase (Gama GT).

O efeito geral do probiótico parece estar relacionada com a redução do impacto de bactérias patogênicas no desenvolvimento da DHGNA pela exclusão ou inibição de bactérias invasoras, bem como através da produção de fatores anti-microbianos, tais como AGCC. Estes mecanismos também resultaram numa melhoria da microflora intestinal. AGCC produzidos pelos Lactobacillus têm um papel importante na redução do pH do intestino e, finalmente, em inibir o crescimento de bactérias gram negativas. Além disso, os probióticos podem modificar a permeabilidade e função epitelial e são capazes de melhorar a defesa da barreira intestinal.

Depoimentos